image1 (13).JPG

Luiz Gustavo Pimenta Martins

MIT, Doutorado Pleno
2015-2021

CV Lattes

 

Área de conhecimento

Física – Física da matéria condensada

Tema do projeto de pesquisa

Optoelectronics of Van der Waals Heterostructures of 2D materials

Palavras-chave

optoeletrônica, TMDs, vdW heterostructures, excitons

 

Resumo 

Materiais bidimensionais tais como o grafeno, nitreto de boro hexagonal e monocamadas de metais de transição dicalcogênicos (TMDs), exibem uma grande variedade de fenômenos eletrônicos e ópticos, que são bastante distintos dos seus homólogos tridimensionais. O empilhamento destes materiais 2D para formar heteroestruturas de van der Waals (vdW), levou ao surgimento de um novo campo em física da matéria condensada cujo foco é o estudo das propriedades eletrônicas e optoeletrônicas emergentes desses novos materiais compósitos. O objetivo da minha pesquisa é investigar duas características peculiares dos TMDs de monocamada: propriedades valley e spin dependentes e a existência de fortes efeitos excitônicos, através de sua interação com a luz em heteroestruturas de vdW por meio de dispositivos optoeletrônicos.


"Minha ideia está relacionada ao fortalecimento da rede, e consistiria em algo como um “Lab Surfing” entre os membros da rede. O Lab Surfing seria uma visita de um membro da rede (“Visitante”) a outro membro da rede (“Host”) com a finalidade de vivenciar o dia-a-dia no laboratório e do grupo de pesquisa do Host por um determinado período de tempo. Esse período poderia ser de três a sete dias. O Visitante ficaria hospedado na residência do Host, o que baratearia os custos do projeto. A ideia é proporcionar uma imersão em um universo de pesquisa que não o seu. 
Acredito que o Lab Surfing traria vários benefícios para ambos pesquisadores envolvidos. Boa parte das pesquisas hoje são interdisciplinares, e essa tendência deve crescer cada vez mais. Dito isso, o olhar externo do Visitante poderia apontar uma nova abordagem para um problema, ou uma nova direção para a pesquisa do Host. Por exemplo, um material que estaria sendo sintetizado por um químico poderia ser visto por alguém da engenharia, que consequentemente poderia sugerir mudanças para otimizar a síntese, ou mesmo novos usos para o material. Além disso, ao entrar em contato com outra área de pesquisa, o Visitante teria novas experiências e vivências, que são uma parte crucial do processo criativo e que acredito serem fundamentais para um bom pesquisador. 
Essa proposta esbarra em alguns pontos técnicos, como a autorização prévia dos orientadores. Dessa forma, acredito que os membros interessados em fazer o Lab Surfing não possam ter pesquisas similares. Uma elevada similaridade poderia levar a um choque de interesses e problemas de propriedade intelectual, o que desencorajaria os orientadores. Ademais, as áreas também não podem ser totalmente díspares, de maneira que alguma contribuição interdisciplinar seja possível. Como exemplo, acredito que um Lab Surfing entre um matemático e um engenheiro, um biólogo e um cientista de materiais, e um médico e um físico, poderia render benefícios a ambos. Acredito que esse “intercâmbio” entre os pesquisadores fortaleceria os elos entre os membros da rede e possibilitaria futuras colaborações, fortalecendo a rede como um todo."

Publicações mais relevantes

  1. Martins, L.G., Song, Y., Zeng, T., Dresselhaus, M.S., Kong, J. and Araujo, P.T., 2013. Direct transfer of graphene onto flexible substrates. Proceedings of the National Academy of Sciences, 110(44), pp.17762-17767.

  2. Ribeiro-Soares, J., Oliveros, M.E., Garin, C., David, M.V., Martins, L.G.P., Almeida, C.A., Martins-Ferreira, E.H., Takai, K., Enoki, T., Magalhães-Paniago, R. and Malachias, A., 2015. Structural analysis of polycrystalline graphene systems by Raman spectroscopy. Carbon, 95, pp.646-652.